<body bgcolor="#000000" leftmargin="0" topmargin="0" rightmargin="0" bottommargin="0" marginwidth="0"><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5805460\x26blogName\x3dLife+would+be+so+wonderful+if+we+only...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://womanofaffairs.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_US\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://womanofaffairs.blogspot.com/\x26vt\x3d2451192399324840577', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Herr och fru Stckholm
En Lyckoriddare
Konsum Stockholm Promo
Luffarpetter
Gösta Berlings saga
Die Freudlose Gasse
Torrent
The Temptress
Flesh and the Devil
Love
The Divine Woman
The Misteryous Lady
A Woman of Affairs
Wild Orchids
The Single Standard
The Kiss
Anna Christie
Romance
Inspiration
Love Bussiness
Susan Lennox
Mata Hari
Grand Hotel
As you desire Me
Queen Cristina
The Painted Veil
Anna Karenina
Camille
Conquest
Ninotchka

Image hosting by Photobucket

09/01/2003 - 10/01/2003
06/01/2004 - 07/01/2004
07/01/2004 - 08/01/2004
08/01/2004 - 09/01/2004
09/01/2004 - 10/01/2004
10/01/2004 - 11/01/2004
11/01/2004 - 12/01/2004
12/01/2004 - 01/01/2005
01/01/2005 - 02/01/2005
02/01/2005 - 03/01/2005
03/01/2005 - 04/01/2005
04/01/2005 - 05/01/2005
05/01/2005 - 06/01/2005
06/01/2005 - 07/01/2005
07/01/2005 - 08/01/2005
08/01/2005 - 09/01/2005
09/01/2005 - 10/01/2005
10/01/2005 - 11/01/2005
11/01/2005 - 12/01/2005
12/01/2005 - 01/01/2006
01/01/2006 - 02/01/2006
02/01/2006 - 03/01/2006
03/01/2006 - 04/01/2006
04/01/2006 - 05/01/2006
05/01/2006 - 06/01/2006
06/01/2006 - 07/01/2006
07/01/2006 - 08/01/2006
08/01/2006 - 09/01/2006
09/01/2006 - 10/01/2006
10/01/2006 - 11/01/2006
11/01/2006 - 12/01/2006
12/01/2006 - 01/01/2007
01/01/2007 - 02/01/2007
02/01/2007 - 03/01/2007
03/01/2007 - 04/01/2007
04/01/2007 - 05/01/2007
05/01/2007 - 06/01/2007
06/01/2007 - 07/01/2007
07/01/2007 - 08/01/2007
08/01/2007 - 09/01/2007
09/01/2007 - 10/01/2007
10/01/2007 - 11/01/2007
11/01/2007 - 12/01/2007
12/01/2007 - 01/01/2008
01/01/2008 - 02/01/2008
02/01/2008 - 03/01/2008
03/01/2008 - 04/01/2008
04/01/2008 - 05/01/2008
05/01/2008 - 06/01/2008
06/01/2008 - 07/01/2008
07/01/2008 - 08/01/2008
08/01/2008 - 09/01/2008
09/01/2008 - 10/01/2008
10/01/2008 - 11/01/2008
11/01/2008 - 12/01/2008
12/01/2008 - 01/01/2009
02/01/2009 - 03/01/2009
03/01/2009 - 04/01/2009
07/01/2009 - 08/01/2009
08/01/2009 - 09/01/2009








website stats

Wednesday, June 30, 2004

 
Então que ontem fui verjevar com uma amiguinha. Chegamos no barzinho a 1 da tarde. Lá pelas tantas resolvemos comer comidinhas japas. Não funcionou, o restaurante fecha as 15:30. Veja bem, qual a vantagem de ter um restaurante se ele vai fehcar durante a tarde? Partimos para a pizza e comemos feito duas loucas. Delícinha. Voltamos pro barzinho e ficamos mais um tempão. Eu até as 4 da manhã. Repetindo: QUATRO DA MANHÃ. E não estava o tão ébria que deveria, depois de mais de 12 horas de cervejinhas. Cheguei em casa e dormi feito pedra. Duro mesmo é ter de ficar de plantão, esperando o moço que vem me colocar no mundo do internet rápida. Estou querendo dormir desesperadamente e não posso.


E o Ensaio sobre a lucidez tá fechadinho. Não consigo ler mais do que 2 páginas. E Saramago que me desculpe, mas ô livrinho chato, hein?!
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 3:31 PM



Monday, June 28, 2004

 
Sinusite me atacando brabo. Desde quinta, mas como não tinha secreção, estava achando que era alguma espécie de virose. Entrei bem, estou com a cabeça pesando uma tonelada, o corpo todo levemente dolorido, garganta arrebentada e nariz escorrendo. Em resumo, um caco. E para piorar tudo, tenho provas até quarta e uma tonelada de coisas para fazer até o fim de semana.

E não bastasse todos os problemas, Vovó Surtada Garbo resolve me alugar. Argumentos? Eu sou uma pessoa muito fechada, que não confio em ninguém. Ora bolas, como confiar em alguém que fuça as minhas coisas atrás de diários e informações que eu escolhi deliberadamente não dividir? Inicialmente a conversa girava em torno de ela saber ouvir, poder passar 2, 3 horas me ouvindo, sem abrir a boca para nada. O que sucedeu foi Vovó Surtada discursando sobre meu fracasso emocional ininterruptamente. Quem era mesmo que poderia ouvir e realmente escutar por longos períodos de tempos mesmo? Resultado? Eu estou voltando à terapia, não interessa o quanto eu tenha dito a Vovó do Surto que não curto ficar uma hora inteira discorrendo sobre o meus problemas e ouvindo comentários absurdos de gente que jura que me conhece porque perdeu uns pares de anos numa instituição superior. Nada contra, mas sinceramente não faz o meu estilo, porém no estado em que me encontrava, se calar a boca de Vovó custasse ir a Nova Iguaçu de ônibus, eu estava topando.

Agora visualiza: eu, deitada, com os olhos cobertos, morrendo de dor de cabeça e Vovó Surtada ME xoxando. Aí Universo, eu tou tentando, mas uma brecha cairia bem, hein?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 11:02 PM




 
E a minha parte em um dos maiores problemas que enfrento atualmente está feita. Agora é entregar pra Cristo e esperar a respota. O que me irrita realmente nessa coisa toda é o fato de o governo estar atrás de quem não tem um puto no bolso, ao invés de catar gente que sonega de verdade. E sonega milhões, que poderiam ser empregados em alguma melhoria efetiva. Ou seja o fato de a receita estar atrás de mim faz com que muitos dinheiros sejam gastos em documentação e gente. Dinheiro que, mais uma vez, poderia ser aplicado em algo realmente útil.

Esses dinheiros que a receita está usando saem do nosso bolsinho. Nós, gente que faz, que paga imposto, que faz declaração, que rala pra cacete pra ter uns trocadinhos de sobra e tomar uma cerveja no fim de semana, pagamos por toda essa importunação desnecessária, enquanto gente que simplesmente dá o golpe na cara de pau tá aí. Soltinha. Sem perder noites de sono há anos explicando que fucinho de porco NÃO é tomada.

E como alguém pode estar satisfeito desse jeito?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 4:26 PM




 
Você sabe que sua vida pegativa está decadente quando um amigo conhecido no meio como o mais liso está vendo mais ação do que você...
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:37 AM



Sunday, June 27, 2004

 
Teste bacaninha. E a frase não poderia ser mais irlandesa do que isso. Esse resultado só me lembra de um cidadão que tinha um pub irlandês pé-sujo aqui na cidade. Era normalíssimo encontrá-lo atrás do balcão berrando a plenos pulmões algo parecido com aaaaaar i´m so fucking drunk! ou simplesmente fuck off! a qualquer pessoa que o irritasse. E era difícil irritá-lo, nem hooligans ingleses conseguiram. Grande pessoa aquele irlandês safado. E eu sinto falta do pub que ele fechou...


Take the quiz: "Which Random Irish Gaelic Phrase Are You? "

Ta me air meisce
Ta me air meisce - 'I am drunk.'You enjoy a drink - or five - now and then. You can usually be found in a pub - it doesn't matter which one, because they all look the same after a few drinks - or hugging the porcelain.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 8:35 PM




 
Alguém diz pro João marcelo Bôscoli que ele não é cool?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 7:26 PM



Saturday, June 26, 2004

 
Há tempos não passava as noites de fim de semana em casa. Desacostumei com isso e esqueci o tédio que pode se tornar a internet. Não sinto vontade de procurar nada no Google, as pessoas rejeitam minhas tentativas de conversas (veja bem, estou sendo descartada até de mensagem de icq e depois dizem que sou dramática, vá entender...) e pessoas que conversariam comigo está na rua, com programas prontos ou simplesmente não estão on-line. A monotonia da vida moderna me atropelou feio e ninguém acendeu nem um vela pro meu corpitcho estendido no chão. Preciso de ocupações, que a dor de cabeça suma, de mais água, de cigarros, de uma cerveja, de ver a cara da rua, de analgésicos, de soníferos, de alguma coisa qualquer que espante essa letargia e me recolha e cuide de das feridas que o tédio deixou aqui.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 11:22 PM




 
Alguém quer vir e me tirar desses tédio? Serve malabarismo, me importo não...
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 7:13 PM




 
Eu realmente não entendo gente que acha que para passar algum conteúdo precisa escrever bonito. Fica um texto todo pomposo, mas, pessoalmente, acho que perde um pouco o teor interesse. Ora, se eu ficasse aqui toda verborrágica que estou e enchendo o texto com palavras enormes e de difícil compreensão, acho que nem os 3 leitores que tenho continuariam comigo. E olha que são todos amigos, hein.

E, sabe, na maioria das vezes que vejo gente com essa atitudezinha não são pessoas que tenham sequer aprofundado o estudo do português. Não que isso seja necessário, só acho que é o tipo de pessoa que gosta de mostrar que saca mais em vários níveis de diferentes assuntos do que você. (No caso, eu).

Enfim, acordei mau humorada. Muita coisa. Portanto, se alguém quiser post feliz, vá procurar outro blog. E se você chegou aqui e não foi porque eu te dei o endereço, me mande um e-mail, me deixe sabendo. Eu gosto disso.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 3:14 PM




 
Você tem exatamente três mil horas pra parar de me beijar.
Meu bem, você tem tudo pra me conquistar.
Você tem exatamente um segundo pra aprender a me amar.
Você tem a vida inteira pra me devorar. Pra me devorar.



Não me leve a mal, mas são 3 da manhã, de uma sexta-feira e eu estou em casa, me deprimindo com rádio de elevador, óquei? Acabou de tocar isso e eu fiquei assim, meio jururu. E depois tocam Linger do Cranberries.

Perfex? Tem por aí? Não? Beleza, me dê então um maltine médio, mal batido, e por gentileza, me chame ali quando ficar pronto que eu vou fumar um cigarrinho pra epsantar a dor, sim?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 3:42 AM




 
E como as estranhices não paravam de pipocar na minha sexta-feira, fui eu, do alto de minha ruivice sueca, à secretaria da faculdade entregar à Tia o requerimento para a renovação da matrícula.

Tia da secretaria: - É renovação?
GG: - Sim
Tia pega o papel e leva pra dentro.
GG: espera, em pé, maldizendo - mentalmente, que fique claro - a preguiça de não ter esticado o cabelo...
Tia (horas depois): - E você lorinha, quer o quê?
GG (muito fina): - Eu sou ruiva e estou esperando a confirmação.
Tia (sem graaaaaaça) : entra e volta com papel na mão.
GG: - tem que assinar qual?
Tia: - Esse aí na tua frente, amor.
GG: joga uma maldição búlgara - mentalmente, que fique claro - na Tia e sai da sala. Só pra perceber que esqueceu de incluir uma matéria, voltar correndo e desistir no meio do caminho, porque cemreau a mais vai pesar feio no orçamento.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:44 AM




 
E as coisas na Maison Garbo só melhoram. De fronte para meu santuário existe um morro. Não uma favela, uma colina, com casinhas e uma igreja no topo, um mimo. Porém, atrás desse (muuuuuuito atrás, deixa eu frisar) tem uma favela. E até 2 minutos atrás estava uma soltação de fogos absurda por lá. Ainda bem que Titi Encosto e Priminho Descontrolado já estavam dormindo, do contrário interromperiam meu cigarrinho, minha conexão e minhas conversinhas, porque no meio da fogaria certamente dispararam uns tirinhos. Certeza absoluta.

E falando em conversinhas, quem mais, além de mim, óbvio, puxaria assunto no icq com um mancebo cujo blog ela leu e se achou deveras divertidinho? E ainda dessa maneira:

é, eu sei que você não me conhece, mas vi teu blog no de um amigo teu , achei maneiro e resolvi conversar ( não, não é cantada, eu sou assim, desculpe).
mas ó, eu até sou uma pessoa legal.


E não é que o rapaz respondeu? E não é que a conversa estava até legal? (Digo estava porque ele começou a me ignorar solenemente, coisas da vida). Mas a vida continua linda e meu maço de cigarros cheio. Que diva precisaria de mais alguma coisa?

Não essa aqui.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:13 AM




 
E na Maison Garbo toda a família assiste ao último capítulo da novela. E descobre-se o assassino de Lineu, confusão armada, pequena Greta (ou eu) corre pra sala "IN-DI-GUI-NA-DÍ-SSI-MA" (eu sei que se escreve indignadíssima e sei que a separação está errada, mas quero frisar minha raivinha-suburbana-carioca-sangue-bom), quase aos berros. E segue-se o seguinte diálogo entre Greta, Titi Encosto Garbo e Priminho Descontrolado Garbo:

GG: - Mas que caído! A Cachorra que matou Lineu! E Renatão se deu mal!
TEG: - Você queria o quê?
GG: - Ah, pô é novela do Gilberto Braga! Pelo menos, UM VILÃO ia se dar bem. Queria vê-lo numa coisa, assim, Marco Aurélio.
TEG: - Marco Aurélio?
GG: - É, em Vale Tudo, o que fugiu dando bananas para tudo e todos (fazendo o gesto).
PDG: - Você estava torcendo por quem?
GG: - Pelo Renato Mendes, CLARO!
TEG: - Ah, Gretinha, você é uma comunista mesmo!

Depois disso, eu corri pro toalê dar uma mijadinha e continuar vendo a sem-gracisse que foi o último capítulo. E deixo um protesto aqui: Gilbertão, já foi melhor, hein?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:21 AM



Friday, June 25, 2004

 
Então que achei um Ensaio sobre a Lucidez perdido em casa de papai. Pedi emprestado e comecei a ler. Afinal, resolvi aproveitar o embalo do Ensaio sobre a Cegueira recentemente lido e ainda fresco na memória.

Fazendo polêmica (mas para quem, Greta? Ninguém conhece isso aqui, menina!): eu acho o estilo de escrita do Saramago chatíssimo. Essa coisa de tudo junto, me deixa meio nauseada. Não que o texto em si seja ruim, é bom, mas cansa. O fato de patrício optar por escrever tudo, como se fosse alguém contando é deveras inovador e deve mesmo ser hypado e badalado pela intelectualidade pensante, mas admitamos, nem que seja escondidinho - que nem eu - que é muito chato ler parágrafos enormes tentando adivinhar quem está falando o quê, para quem e algum motivo que tenha levado a personagem a dizer, ou não, a tal coisa.

Isso desestimula totalmente a leitura. Logo nas primeiras páginas o leitor mais disperso (opa, presente!) já está entediado e chegar à metade do livro se torna um dos 12 trabalhos de Hércules (bem que tentei escrever a palavra, mas semp´re achei que tinha algo de errado com ela e resolvi mudar tudo). E, agravando tudo isso, os livros são em português de Portugal, com palavras esquisitas ou grafias estranhas (porque causam estranhamento na maneira como nos acostumamos a ver a palavrinha) tudo para espantar de vez os leitores com distraídos. O que é uma pena porque os temas são muito legais e desenvolvidos de forma maestral (Greta, minha filha, o hômi ganhou um Prêmio Nobel de literatura é óbvio que é maestral!).

Isso tudo foi mesmo só para dizer que apesar de todo o conteúdo, eu acho os livros do Saramago chatos pra dedéu.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 5:16 PM




 
Eu gostaria muito de saber por que pessoas intelectualmente compatíveis nunca o são num nível mais carnal da coisa. Veja bem, o cidadão escreve bem, me diverti lendo o diarinho do moço, fui procurar foto. E o que acontece? Broxadinha básica, o rapaz me atrai quase nada fisicamente, e como agora eu insisto - bato o pé e faço beicinho - em deixar toda e qualquer relação que envolva beijo na boca num nível pura e meramente superficial, não rolará interação pseudo-stalker-virtual.

E o Ministério das Pegações e afins do pequeno país Sueco-Irajáense informa: não há previsões de cheiros no cangote e beijinhos estalados para esse fim de semana por uma questão de contenção de despesas.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 4:16 PM



Thursday, June 24, 2004

 
Pior de ficar com uma pessoa fisicamente esquisita ( sim, eu sou fanática por um certo sotaque e quase nunca resisto quando me chegam falando com ele baixinho e quase-obcenidades) é descobrir por telefone que o cidadão gagueja loucamente. Sim, ele é gago, daqueles de dar nervoso. Me ligou hoje o rapazinho, me chamando pra tomar uma especiaria da terrinha dele. Claro que fugi. Arrumei algumas desculpas e disse que ligava depois.

Mas Greta, minha nêga, não foi cruel isso não? Foi sim, neguinha, eu sei. Mas estou evitando bebidinhas e encarar o mocinho sem o embelezol/lascivia enlargement vai ser complicado. Diria até bem difícil. Mais para não perder o apreço pelo supracitado sotaque do que por uma outra questão de princípios qualquer. Porra! Gaguejar com aquele fala cantadinha é feio, imoral, engorda e broxa. Eu não mereço tla punição, mesmo não me comportando lá muito bem e Papai do Céu sabe disso.

Então, eu vou ali já rapidinho procurar o outro rapaz de sotaque bonito com quem já tive um trelelê e marcar de sair. Porque, vejam bem, eu mereço um cheirinho no cangote depois dessa semana.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 8:04 PM




 
Às vezes eu acho que tem um mega conspiração contra mim, outras acho que não. Algumas coisas me incomodam muito, outras nem tanto e, mesmo assim, adio a resolução de ambas. Eu queria mesmo era que Peter Pan tivesse vindo buscar quando eu ainda era capaz de ter pensamentos felizes, de sonhar. Porque agora nem dormir mais eu consigo.

Alguém acha uma vida aí pra mim, vai.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:21 PM



Wednesday, June 23, 2004

 
E continuando a saga genicelógica-invasiva, chego eu hoje para fazer exames mais profundos e...

Sala de espera:
- Senhora Greta!
- Oba!
- Esvazia bem a bexiga, que você já entra. Ali, depois da portinha tem um banheiro.
- Já é.

Sala de Exames:
- Ali no cantinho, ó. Tira a roupa toda e vesta esse jaleco com a abertura pra frente.
- Assim, aqui?
- É!

Senhor doutor chega:
- (na maior naturalidade, enquanto escreve algo e pega uma camisinha e chapuleta aquele gel no ultrasson) E você usa algum método anti-concepcional?
- Eu tomava pílula, parei tem um tempinho.
- Você tá tentando engravidar?
- Eu, não! ( desconjuro, doutor, vira essa boca pra lá, porra.)
- E quer o quê? Mágica?
- não...( Sabe o que é, seu merda, é que tou praticando um método novo que me disseram ser infalível: abstinência, já ouviu falar, doutor?)
- Fica bem relaxadinha...
- *suspiro* ( essa gente acha que REALMENTE é possível ficar tranquila e calma nessa situação? Sério mesmo?)
- Dá licensa ( abrindo o jaleco ). Cuidado que é gelado.
- Tá.
- O laudo fica pronto em 10 minutos. A assistente vem te ajudar. Tchau.
- ( Pô, nem vai me convidar pra um café? Um cigarrinho? Nada? É...)

Resultado da brincadeira: eu tenho umas formações esquisitas intramurais - o que eu acredito que seja algo dentro da parede uterina. Não é nada, não é nada, tenho que ficar monitorando isso pro caso de crescer, eu estar atenta e poder logo entrar na faca.

E por que eu sabia havia algo de estranho no Reino da Suécia?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:07 AM



Tuesday, June 22, 2004

 
E ele veio conversar. E eu aceitei. E falamos e esclarecemos coisas. E eu ainda sou a malvada da história. Será que se eu dissesse a ele que a foto ainda está no porta-retratos, que o sentimento ainda tá aqui, ele me dá só um pouquinho de paz?

E agora, só um segundo, eu vou ali ser invadida na minha privacidade mais um pouquinho e volto já, sim?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:58 AM




 
Sim, eu sou doida por esse ruivo.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:01 AM



Monday, June 21, 2004

 
- Boa tarde, senhorita Greta.
- Boa tarde, doutora.
- Eu vou fazer algumas perguntas, você teve relações ontem?
- Não ( infelizmente, infelizmente...)
- Tem mais de 6 meses que você fez o preventivo?
- Ah tem. ( Porra, doutora, você está num consultório no subúrbio. Acha mesmo que a gente vai ao médico a menos que algo surja?)
- E exame de sangue, urina e fezes?
- Tem sim. ( Ih, doutora, a senhora não manja nada mesmo de suburbian way of life, não é?)
...
- Então você vai ao banheiro e veste o capote com abertura pra frente, sem amarrar.
- Certo. ( Capote! Ela disse capote! hahahahahaha)
- Então você senta ali, bem na beirada. E coloca as pernas aqui em cima. Bem relaxada.
- ( Olha doutora, a senhora me explica como é que eu posso estar relaxada vestindo apenas um capote e com as pernas completamente abertas e sabendo que já, já haverá um espéculo mostrando partes da minha anatomia nunca dantes reveladas? Me explica isso, doutora, e eu relaxo, tranquilamente.)



Isso tudo foi só para sinalizar a seguinte questão: existe algo mais constrangedor do que fingir naturalidade em exame ginecológico?
E ficar lá, deitada, com as pernas abertas, vendo fotos de todos os bebês que a doutora ajudou a trazer ao mundo foi aterrorizante. Me senmti em colheita maldita, ou cidade dos amaldiçoados - não lembro -, com aquelas crianças me olhando, como se eu estivesse prestes a morrer. Medo, muito medo.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 9:38 PM




 
E logo quando eu começo a pensar que tudo se encaminha para a luz, Carol Ann, me aparece alguém assombrando. Aí Murphy, vamos dar um tempo, me deixar respirar um pouquinho depois você volta com a força toda. Está ficando díficil desse jeito. Muito difícil.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:56 PM



Friday, June 18, 2004

 
Veja bem, a vida dá mesmo muitas voltas.

Os dois-anos-na-sacolinha ainda doem, mas aquele de quem me perdi no mundo reapareceu, e mesmo que nada aconteça ele traz uma sensação boa. Uma espécie de paz na alma, algo que realmente se faz necessário no meu mundo atualmente.

Sensação gostosa essa...
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 6:21 PM




 
É duro ver que quase 2 anos da minha vida couberam em uma sacola de mercado. Com folga. Não deveria ser desse jeito. Nem sempre a coisa certa a se fazer é aquela que queremos fazer.

O que me salva são amigas maravilhosas que me chama pra tomar cervejas e me animar. E isso eu sei que nunca precisarei colocar numa sacola para devolver.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:11 AM



Thursday, June 17, 2004

 
Minha cara, eu te amei muito, mas o que você faz da sua vida agora não é mais problema meu.

Doeu. Muito. Mais do que deveria ter doído, mais do que eu esperava que doesse. Foi como se apagassem um pedaço da minha vida ou arrancassem um pedaço do meu coração. Sinto falta dele agora como nunca senti antes. Até das reclamações e brigas. Dói saber que o amor acabou...
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:35 AM




 
Cerveja com as amigas, muitos cigarros fumados, sono no ônibus. Chego atrasada ao oftalmologista, examinhos, cola o queixinho e a testa e nada. Meu grau não mudou nada em 13 anos. E todas as minhas esperanças de mandar fazer um óculos novo, fodão e ficar posando de intelectual no pátio da faculdade, no cinema, na rua, na chuva, na fazenda, foram pelo ralo.

Cheguei em casa e fui ver mail, com a consciência levemente alterada pela quantidade de alcóol ingerida. Acabei escrevendo o que não deveria. Enfim, a derrota anda me espreitando a cada segundo do dia.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:31 AM



Wednesday, June 16, 2004

 
Prova máxima de que nenhum homem fica bem de pochete: Vi Brendan Frasier numa dessas. E nem tive vontade de pedir um deles pra mim.

Se nem Brendan não fica de pochete, acho que os outros deveriam repensar seu uso. É isso ae, Miss G rumo à fogueira santa das pochetes, por um mundo mais bonito.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:40 AM




 
Espero. Mails, cartas, telefonemas, carinhos, beijos, abraços, notas de prova, inspiração. Espero, talvez, a vida começar.

Me sinto Pedro Pedreiro que esperava um trem que nunca viria. Acho que dormi demais e perdi meu trem para a vida e o que me restou foi ficar ali, na estação esperando.

Por mais que tente fazer algo, sempre a sensação de espera volta a me espreitar, como se estivesse tentando me dizer que não vai dar certo, que perdi e a linha foi desativada, não adianta manter esperança ou ir a pé. Você está longe de qualquer lugar, qualquer um mesmo, nem faça esforço seguindo os trilhos, eles não chegam de e nem a lugar algum...


 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:38 AM



Tuesday, June 15, 2004

 
Fazendo a limpa na caixa de correio ( eu ainda tenho ilusão de que voltarei a receber cartas, fazer o quê? ), descobri várias coisas absurdas. A maioria esmagadora dos mails guardados é de homens. E de moços que eu peguei. Dito isso, acho vou ali arrumar um pen friend e volto já, pelo menos é alguém que se amarrará em receber e responder cartas. Virtuais ou não.

As mensagens que não foram limadas são de amigas minhas e não fazem o menor sentido. Não é não façam sentido algum, é que estão muito mais para conversas de icq que aconteceram via mail, alguém de fora nunca conseguiria entender o que acontece na conversa, mas todos se entendem e sabem exatamente do que falam e porque falam.

O que eu mais gosto no meu sistema de webmail é o fato de ele guardar as mensagens com o mesmo assunto como conversações, o que me facilita a vida imensamente e evita que eu me perca entre a quantidade de mensagens recebidas e não responda a mesma coisa que alguém já respondeu. Delícia.

Voltando às cartas, gostaria de receber cartas em papel de novo. E sentir nelas o cheiro de alguém, ver como a caligrafia falha em alguns pontos, e ficar lendo e relendo e chorando e lembrando. E aquele aperto no coração toda vez que abre o envelope, na espera por uma foto, ver o tamanho da carta. Sinto muito a falta disso. Principalmente porque foi assim a primeira vez que eu me apaixonei. Nunca nem nos conhecemos, foi algo completamente mundo das idéias ( Platão se regozija em júbilo nesse momento ). Eu, de um lado apaixonadíssima por ele e ele do outro apaixonadíssimo por mim e nenhum dos dois disse nada, até ele revelar tudo numa derradeira carta. Nos perdemos um do outro. Embora ele sempre me venha a mente e eu goste de parar e ficar relendo todas as cartas que me foram mandandas, tentando lembrar das que escrevi. Às vezes, acho cartas que escrevi pra ele e nunca mandei e me dá vontade de mandar, não tenho mais o endereço.

E toda vez que posso, entro numa loja de perfumes pra sentir o cheiro dele e voltar aos dezesseis anos, quando tudo o que me preocupava era que ele não descobrisse o quanto me doía quando ele dizia que estava namorando ou interessado em alguma menina. Bons tempos. Saudade.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 6:34 PM




 
Ao pé do ouvido, por favor.

Dizem que tô louco
Por te querer assim
Por pedir tão pouco
E me dar por feliz
Em perder noites de sono
Só pra te ver dormir
E me fingir de burro
Pra você sobressair
Dizem que tô louco
Que você manda em mim
Mas não me convencem, não
Que seja tão ruim
Que prazer mais egoísta
O de cuidar de um outro ser
Mesmo se dando mais
Do que se tem pra receber
E é por isso que eu te chamo
Minha flor, meu bebê
Minha flor, meu bebê
Dizem que tô louco
E falam pro meu bem
Os meus amigos todos
Será que eles não entendem
Que quem ama nesta vida
Às vezes ama sem querer
Que a dor no fundo esconde
Uma pontinha de prazer
E é por isso que eu te chamo
Minha flor, meu bebê
Minha flor, meu bebê

 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:26 AM



Monday, June 14, 2004

 
Algumas coisas me irritam além do limite do aceitável. Duas delas são verificar e-mail e não ter nenhuma mensagem nova e pessoas achando que eu estou pagando paixãozinha porque depois que eu fico, gosto de manter contato, mesmo que nada mais aconteça.

A pegação não foi uma coisa solta, descontextualizada, é amigo de amigos. Precisa ficar nessa paranóiazinha escrota? Sabe muito bem que não sou assim, quando - e se - quero que algo aconteça, jogo limpo. Então para quê ficar conjecturando absurdos sobre minha pessoa e se esquivando? Ah tá, entendi, é porque quando ele quer eu preciso estar arrumada, cheirosinha e bem disposta.

Depois me perguntam por que eu ando fugindo de mancebos pureza. Quer saber mesmo? Porque os cafajestes estão sempre prontos, dispostos e não ficam cheios de nove horas se o assunto for pegação.

Três vivas ao sexo casual, sim?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 10:16 PM




 
Eu gosto de sensações. Daquele frio na barriga meio sem explicação. Da ansiedade da espera. Do barulho da respiração ao pé do ouvido. Do abraço apertado.

Hoje, particularmente, estou apreciando o cheiro. Um cheiro que traz boas recordações. Talvez saudade. Só hoje eu queria ter na respiração aquele cheiro, sentir o perfume na hora do abraço apertado. Sentir no cangote aquela respiração, o braço me envolvendo e me embebedar com aquele cheiro até que o sono, por fim, me levasse. E quando chegasse a manhã, acordar no colo e sentir que está tudo bem.

Talvez seja só carência. Mas eu queria ser mimada hoje. E mimos com aquele cheiro.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 1:09 AM



Saturday, June 12, 2004

 
A falta de companhia faz com que pensamos em besteiras. Não besteiras propriamente ditas, mas em pequenas coisas que, perante a sociedade, são besteiras. Como ligar pro cidadão com quem se teve uma qualquer coisa e perguntar se ele quer sair. Ainda bem que o bom senso chegou da rua a tempo de lembrar que hoje é dia dos namorados e pode parecer bastante esquisito ligar pro sujeito convidando pra sair exatamente nesse dia.

O vazio sempre leva a atos desesperados. A letargia emocional e a vontade de dar a volta por cima são irmãs siamesas das atitudes das quais nos arrependemos. Enfim, às vezes, ficar na internet procurando coisas para distrair os olhos nos poupa de constragimentos futuros grandes.

Ah, se eu tivesse pensado nisso antes...
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 11:33 PM




 
Acho que todos os relacionamentos futuros de uma pessoa são baseados naquele primeiro. Pode perguntar por aí, poucas pessoas esquecem quem foi o primeiro namorado. Sou uma delas.

No meu caso, não se pode chamar o primeiro de namorado. Era uma relação à distância, ele, mais velho, eu, como toda adolescente, complexada, me achava feia, desajeitada, bobinha e sem sal. Nos falávamos por telefone, pela internet e por carta com certa regularidade. Um dia ele me ligou dizendo o quanto gostava de mim, no dia seguinte "terminou" tudo. Me senti num filme antigo, chamando um taxi e dizendo : Rua da Amargura, por favor, sem atalhos.

Passei mais tempo do que deveria maldizendo a vida, o amor, os pássaros, o mundo, a mim mesma por ter sido tão besta. Jurei que não ia dar mais mole pro azar.

Balela, óbvio. Ele veio pra cá, ficamos, tomei mais um chega pra lá ( pra ficar esperta, sabem?).

Não estou dizendo que minha instabilidade/confusão/incapacidade emocional é culpa dele. Mas bem que poderia ter arrumado um primeiro namorado mais legal, tido uma relação bonita, carregar boas lembranças. Ter a que me agarrar nesses - e naqueles - momentos de tristeza profunda. Convenhamos, frustração logo de cara não pode gerar boas memórias.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:55 PM




 
I wish that I was in your arms like that spanish guitar

Carência. Vontade de colo. Falta de sexo. Insônia. Tudo isso junto com a já mencionada seqüência de erros.

Porra, estou emo demais. Mas ainda batendo na mesma tecla, só queria um companhia pra dormir junto hoje, de colherinha. Porque apesar de querer apenas estar sozinha, eu sou humana e tenho esse tipo de necessidade frívola. fazer o quê?
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 3:23 AM



Friday, June 11, 2004

 
Fiasco. Sucessão de erros. Tudo isso junto e uma dor de cabeça que não passa. Culpa minha, totalmente minha, mas ser forte tem dessas coisas, tem-se que lidar com os erros e a vtitimização alheia. Bem-feito, fosse eu uma manteiga derretida e todos me dariam colo e diriam que o mundo é umn lugar mau.

E agora eu só queria alguém que disssesse "ei, a culpa não foi toda tua, garota. Vocvê errou, mas não está sozinha!"...

 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 6:22 PM



Wednesday, June 09, 2004

 
Eu olho ao redor e é como se eu fosse um dos anjos do Win Wenders. Todos sentem algo, todos desejam algo eu estou lá, tão perto, tão longe daquelas emoções. Pessoas coloridas e eu em preto e branco. O mundo girando e eu parada, inerte, incapaz. A culpa pode ser minha, pode não ser de ninguém. Talvez seja melhor assim mesmo, ver em cores o tempo todo polyaniza o mundo. P&B faz bem a alma, ajuda a valorizar o que se tem.

Se não fosse toda essa saudade e essa falta que eu sinto, estaria bem. Seria feliz. Mas preciso me encontrar e matar as saudades de mim. Parar de sentir a minha própria falta e me xamegar um pouco. Vai ver isso traz de volta as cores do meu mundo.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:54 AM



Tuesday, June 08, 2004

 
De tanto ler e comentar em blogs famosos, criou um ( no blogspot, porque é raiz). Claro que foi fazer propaganda nas caixas de comentários de todos os pretensos amigos da roda de famosos. O blog era ruim, virou spammer. Uns hackers roubaram a senha do usuário e acabaram com sua vida.

Ainda tem blog, mas finge-se de loiraça-peituda-maria-chuteira e relata falsas aventuras sexuais envolvendo jogadores de futebol da moda. Dizem que tem até proposta para dar entrevista na Luciana Gimenez, convite pra posar na Sexy e uma horda de machos querendo desfrutar de sua sabedoria sexual.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:17 PM




 
Olhos se encontram. Aproximação involuntária. Conversa ao pé de ouvido, riso de lado, mexidas no cabelo. Lábios se aproximando. Gostosinha, ele diz. Ela pede pra ir ao banheiro, sai de fininho. Acende um cigarro e volta pra casa pensando em cirurgias plásticas, silicone, academia, e um belo porre, pra esquecer tudo pensando antes.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 12:52 AM



Sunday, June 06, 2004

 
O braço esticado porcura por algo que não está lá. E então como alguém que perdeu um membro, mas ainda o sente, perecebo somente o vazio. Duro constatar isso numa noite fria, onde tudo que se quer é um cobertor de orelha.

E mesmo que não pareça está doendo. Muito.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 6:00 PM




 
Me sinto bem de pijamas. Aconchegante ( se é que essa palavra pode se aplicar a pessoas). Parece que nada de ruim pode acontecer se o pijama estiver vestido, pricipalmente os de calça comprida e camisas de manga comprida.

É como, se de repente, o mundo virasse um local tranqüilo, livre de todos os problemas e a felicidade fosse algo palpável.

Pode ser que a questão não seja o pijama, mas o que está dentro dele e todas as associações com infância, onde mamãe nos colocava pra dormir, dava beijo de boa noite puxava a coberta, dizendo que tudo ficaria absolutamente bem. Como se ela fosse capaz de impedir todo e qualquer mal que viesse a perturbar o sono de suas crias sem que nenhuma delas acordasse, criando, assim, um lugar melhor pra quando acordássemos.

Pode ser tudo isso, pode ser nada disso, pode ser um pouco de cada. Fato é que pijamas compridos me dão uma sensação de paz e aconchego como poucas outras coisas conseguem.
 

Greta Garbo, quem diria, foi parar no Irajá as 2:26 AM